Garotas de Vidro por Laurie Halse Anderson

Sinopse
"Lia está doente e sua obsessão pela magreza a deixa cada vez mais confusa entre a realidade e a mentira. Mas ela perde totalmente o controle quando recebe a notícia de que sua melhor amiga, Cassie, morreu sozinha em um quarto de motel. E o pior: Cassie ligou para Lia 33 vezes antes de morrer.
O que começou como uma aposta entre duas amigas para ver quem ficaria mais magra tornou-se o maior pesadelo de duas adolescentes reféns de seus próprios corpos.
Ao negar seu problema, Lia impõe a si mesma um regime cruel em que contar calorias não é o bastante. Ao omitir seu desespero, apela ao autoflagelo numa tentativa premeditada de aliviar seus tormentos. Seus pais e sua madrasta tentam ajudá-la a qualquer custo, mas nem mesmo sua doce irmã, Emma, consegue fazer com que Lia pare de se destruir.
Agora, Lia precisa encontrar um modo de lidar com todos os seus fantasmas, e a morte de Cassie é um deles."


Autor: Laurie Halse Anderson
Editora: Novo Conceito
Ano: 2012
Páginas: 272
Gênero: Drama
    

Garotas de Vidro é um livro um pouco antigo, foi lançado em 2012 pela Novo Conceito no Brasil, mas aborda temas super interessantes e voltado para um público jovem. Por isso, a resenha de hoje é dele, um livro muito sensível e altamente necessário.

Neste livros seguimos a Lia, ela está no ensino médio, e tem tudo para ter uma vida normal. Ma infelizmente as coisas estão conturbadas.
Sua amiga Cassie acabou de cometer suicídio e Lia descobriu que a amiga ligou para ela 33 vezes antes de cometer o ato.

A amizade com Cassie vem de um longo tempo, as duas se conhecem desde a infância e sempre estavam juntas. Mas não era exatamente uma amizade saudável.
As duas sofriam de distúrbios alimentares e ver Cassie morta confunde muito a cabeça de Lia, que agora precisa aprender a seguir em frente não se identificando no seu corpo e sem a amiga, que implorou ajuda para ela quando ela não estava ali.

Estamos no Setembro Amarelo e foi por esse motivo que quis trazer uma resenha desse livro, ele trata de suicídio de uma maneira muito interessante sob a perspectiva dos distúrbios alimentares.

O livro é narrado pela Lia em primeira pessoa. A narrativa é de certa forma muito fluida e rápida de ler, porém é muito angustiante estar na cabeça dela. Assim como de qualquer pessoa que esteja passando por problemas assim. 

fonte: GG
Este foi um livro que me surpreendeu muito, lembro que vi ele na Saraiva ha uns 2 anos e relutei em comprar pois achava a capa muito estranha mas ai quando li mais sobre ele no começo desse ano fiquei mais interessado pois distúrbios alimentares é um assunto que estou sempre procurando estudar. Ainda mais na perspectiva de um adolescente.

"Eu sabia como machucava ser filha de pessoas que não conseguem te enxergar, nem se você estivesse na frente deles, pisando nos seus pés."

O que me intrigou nessa leitura foi a quantidade de camadas que a autora coloca para a personagem, sente-se muito que ela realmente existe, que pula das páginas.

A Lia está passando por um luto muito duro por ser de uma amiga dela que tinha o mesmo problema que ela, por ser suicídio. Por fazer ela ver que as pessoas podem morrer realmente em casos assim.

Ela também precisa enfrentar ter pais separados e super protetores, além da escola onde todos só falam na Cassie.

Apesar de ter gostado muito da leitura, algo me irritou muito. 
Bom, como aconselhado em casos assim, todo paciente precisa passar por acompanhamento psicológico, é o que a Lia faz. Forçada, mas faz.
Entretanto, a autora erra extremamente ao colocar a paciente, no caso, como inimiga da terapeuta. Ainda mais em um um livro voltado para um publico mais novo. Isso me incomodou muito pois a autora poderia ter desenvolvido de uma maneira muito mais interessante, mas ela foge para um esteriótipo muito incoerente. 

Nos agradecimentos ela até agradece a uma Psiquiatra por ter ajudado-a nesse lado, mas não consigo entender como já que ela coloca a Psicóloga como um bicho de sete cabeças e super estereotipada quando não é assim. 

De forma geral, Garotas de Vidro é um livro ousado e forte, muito forte. Mas muito necessário para quem conhece pouco do assunto ou que quer entender mais como funciona esse tipo de caso.


Comentários

  1. Oi Gui!

    Parece ser forte mesmo, mas é um tema delicado, sensível e acho válida a leitura, principalmente pra mim que conheço poucos livros com esse tema. Gostei da indicação!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela resenha Guilherme! Já li Garotas de Vidro e curti bastante. Abraço!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  3. Oie,
    li este livro faz algum tempo, mas confesso que ele não me prendeu.
    Quem sabe releia em outro momento

    bjos
    Blog Vanessa Sueroz

    ResponderExcluir
  4. Gui... seu lindo,mencionei você lá na minha postagem #setembroamarelo

    Não conhecia o livro, mas a premissa é bom, com um enredo muito importante.
    Uma pena a autora ter cometido este deslize de estereótipo, mas eu leria sem problemas.

    Beijos da Camila.
    http://cabinedeleitura.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Olá.
    Ainda não li esse livro, mas sempre vejo alguns comentários positivos, além do mais que tem uma premissa interessante. Que bom que tenha gostado. :D

    Beijos. | * Blog PS Amo Leitura *

    ResponderExcluir
  6. Já faz um tempo que eu quero esse livro, mas toda vez que eu vou comprar está em falta ou o preço está muito caro.
    Amei a forma que você falou sobre o livro, bjs!

    Refúgio da Ju

    ResponderExcluir
  7. Oi, Guilherme! Tudo bem? Adoro quando um autor aborda temas importantes e delicados em seus livros. É bom que temas como suicídio e distúrbios alimentares sejam abordados, pois são coisas cada vez mais frequentes na vida de alguns jovens. Espero algum dia poder ler "Garotas de Vidro". Adorei a resenha! :)

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Gui!
    Já li várias resenhas sobre esse livro e sempre tenho vontade de ler também. Mas, não sei se é pelo fato que vive há duas semanas (que eu comentei no outro post) ou se foi pelas suas impressões, agora estou com mais vontade de ler "Garotas de Vidro". No momento, estou tentando não ler sobre temas tão fortes porque estou vivendo um período de muita ansiedade (meu casamento ^^), mas vou manter esse título na minha lista de desejados para o próximo ano. Gostei da sua ideia em publicar essa resenha esse mês e agora tive a ideia de fazer algumas resenhas sobre o tema em setembro de 2017...
    Parabéns pela resenha!

    versosenotas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi, Gui!
    Gostei muito da sua leitura para o livro. Sempre quis ler esse livro - até ganhei um brinde na bienal de salvador, com marcadores e uma bolsinha - mas nunca li. E quero!
    Sempre leio coisas ótimas sobre ele.

    Bjão.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Já li esse livro e conclui que a leitura é ótima. É tão intenso e real, realmente vale a pena!!
    Beijo
    www.leitorasvorazes.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Guilherme!
    Adoro quando esses livros "antigos" ressurgem na blogosfera.
    Eu não li "Garotas de Vidro", mas acho a premissa interessante. Sem dúvida faz refletir e funciona como um alerta.
    É uma pena que a autora tenha apelado para estereótipos. Se não acreditamos nos personagens, a trama toda perde o sentido, né?
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oie, tudo bem? já ouvi muitas pessoas falarem desse livro e não vejo a hora de lê-lo, estou me preparando psicologicamente para isso já, acho muito importante quando os autores trazem temas tão relevantes para o publico jovem, que geralmente são os que mais sofrem com isso.

    XoXo

    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi, Gui!
    Já vi esse livro várias vezes, mas não sabia que ele guardava um conteúdo tão delicado em suas páginas. Depois da resenha, fiquei muito curiosa para lê-lo, para conhecer um pouco da mente da Lia. Algo que me incomodou, foi o mesmo que incomodou você, a esteriótipo da terapia, é um assunto bem delicado, principalmente quando direcionado ao público mais jovem. Enfim, obrigada pela dica!
    apenasumaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Guilherme,
    Há tempos estou querendo ler esse livro.
    Adoro uma temática forte que mexe comigo. Além da capa ser maravilhosa, né?
    Foi uma boa dica para relembrarmos que nem sempre os lançamentos merecem destaque.
    Beijos
    estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Ainda reluto a ler esse livro pelas críticas que dizem que o livro é um pouco arrastado, mas acredito que na verdade isso significa que seja angustiante estar na cabeça da protagonista, o que acaba se tornando exaustivo. Imagina, né! Se pra nós é cansativo e torturante, imagina pra ela, pra quem sofre da doença. É um assunto pouco falado atualmente, mas que não deve ser deixado de lado, afinal muitas pessoas devem estar na situação e nem imaginamos.
    Ótima resenha, adorei as suas postagens do setembro amarelo. Eu nem me liguei, mas acho que ano que vem vou reservar o mês pra postagens desse assunto também!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Acho esse livro incrível. Pretendo lê-lo há séculos. Além do tema ser interessante, o título é convidativo e a capa idem.
    Parabéns pela resenha.

    http://ymaia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi, tudo bom?
    Nossa, eu já passei por esse livro diversas vezes, mas nunca parei para prestar atenção, mas depois de ler sua resenha fiquei extremamente interessada nele...
    Sua resenha ficou ótima, parabéns!!

    Beijos,
    Juh
    http://umminutoumlivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Oi Guilherme, tudo bem?
    Acho que li esse livro logo que saiu, e até hoje este me perturba.
    Por ter uma narrativa crua, a leitura impacta o leitor, e o pior é que sabemos que o problema abordado na obra é real. Também achei errado a autora colocar a terapeuta como se fosse algo desnessessário, mas ela ouviu e pesquisou sobre as jovens com esse distúrbio, desse modo penso que ela quis passar na história o que os jovens pensam sobre esse médico.
    Por exemplo, nos dias de hoje, ouço muitosd jovens dizerem que pcicólogos e psiquiatras são para pessoas "loucas" ou "retardadas". Mas concordo com você que a autora deveria abordar esse lado como algo bom, quebrando os preconceitos existentes na obra. Caso que, infelizmente, não acontece.
    Beijo*
    https://umminutoumlivro.blogspot.com.br/
    https://sonhoscriveis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

DEIXE A SUA OPINIÃO!

Postagens mais visitadas deste blog

Sumiço, Mudanças + O Que ando lendo

Lembrança por Meg Cabot

Os Lançamentos de Julho | 2016